Eu escrevo e te conto o que eu vi

Um blog sobre tudo e sobre nada.

Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP, Brazil

Um gajo deveras apaixonado pelo que faz. Jornalista, magro, pobre e feio. Tio da Carolina e da Gabriela, marido da Viviane. Repórter de esportes e motor, sãopaulino consciente, assessor de imprensa, fanático por automobilismo e esportes de aventura, e também freelancer, porque ninguém é de ferro.

terça-feira, agosto 05, 2008

O primeiro de vários sonhos realizados




SÃO PAULO (CURITIBA-PR) - No comecinho de junho, realizei um dos muitos sonhos que tenho. Hão de imaginar vocês que são todos praticamente relacionados ao automobilismo. E são mesmo. Não sou um cara de grandes ambições ou aspirações e meus sonhos que não se relacionam com a minha profissão são uma vida tranquila, filhos com boa saúde e conforto suficiente para pagar a faculdade deles e ter uma casa grande pra caber todo mundo, além de manter a patroa sempre satisfeita, claro.
.
Mas eu ia dizendo que realizei um sonho. Preparava-me durante a semana para ir a Curitiba cobrir uma etapa da Porsche Cup, quando o amigo Pandini, assessor de imprensa da categoria, me avisa: "traz seu macacão". Beleza. Coisa ruim não haveria de ser. (Quando fico muito tempo sem guiar - meu carro não conta - costumo entrar no meu quartinho da bagunça e vestir meu macacão, só pra sentir o cheiro e me sentir piloto.)
.
Fomos pra Curitiba e chegamos perto das 11 horas de uma bela sexta-feira ensolarada e de 15 graus na capital paranaense. Mal cheguei e sou recepcionado pelo popular Panda: "O treino-livre tá acabando, Clebão. Assim que terminar, você vai andar com o Raul".
.
Era isso mesmo. Eu ia guiar um Porsche de corrida e meu instrutor seria Raul Boesel! Até liguei pro meu irmão pra contar, mas ele anda meio incrédulo com o que digo a ele: "Me chama quando você estiver dentro do carro ligando o motor, que aí eu vou acreditar". Vai esperando.
.
Macacões vestidos, devidamente apresentados ao carro, Raul me explica que dará duas voltas ao volante do 911 geração '996 S', me explicando a que marcha fazer cada curva, para depois eu assumir a bagaça para dar quatro voltas guiando.
.
Lindo, pensei.
.
A sensação de ir de carona num carro de corrida é legal, mas enjoativa. Primeiro porque você não está dirigindo. Segundo porque faz muito calor. Terceiro porque o estômago fica zuado. Muito zuado. Paramos e trocamos de lugar.
.
Dou a partida - a chave fica do lado esquerdo do volante, igual no Lada - e o carro morre. Ligo de novo e sinto que o pedal do acelerador é duro. Tento sair e (novidade) o carro morre. Ligo de novo, piso mais forte e consigo sair, porque já tava ficando feio.
.
Uma voltinha pra se acostumar com tudo. É um carro fácil, dócil: direção hidráulica e freios ABS, além do câmbio sequencial de 6 marchas e o motorzinho boxer de 390 cavalos roncando atrás. Era música.
.
Começo a pegar confiança, entrando na curva zero cada vez mais rápido. Na terceira volta, experimento olhar no velocímetro digital bem no final da reta, a 200 metros da primeira curva, e eu estava a 228 km/h. Aqueles carros, em condição de corrida, chegam ali a uns 235, 238 por hora. Nada mal. Eu via que tava bem quando o Raul entrava num leve desespero no banco do carona. Isso porque ao atingir essa velocidade, você tinha pouco mais de 100 metros pra frear, reduzir de sexta pra segunda marcha (num câmbio em H, fazendo punta-taco certinho e tudo), e fazer um S a 75 km/h.
.
Já estava completamente adaptado ao carro, freando no último instante, reduzindo as marchas corretamente - como é gostoso fazer punta-taco num Porsche! - guiando rápido, quando entro novamente na curva zero (que antecede a reta de chegada) e vejo o Raul me sinalizando:
.
- Era pra entrar nos boxes agora!
- Pô, mas você não me avisou!
- Beleza, entra na próxima.
.
E assim eu dei mais uma volta.
Uma delícia, em resumo. Não dá vontade de parar. Guiando rápido, você vai tão concentrado, sem medo, que parece que tudo está ao seu controle. Ali não tem mãe, pai, irmão, noiva (foi uma semana antes do casamento), é você, o carro e a pista. E aquele som maravilhoso roncando a cada cravada no pedal da direita.
.
É pra guardar pra sempre.
.
Meu irmão? Quando levei o vídeo, ele acreditou.

3 Comentários:

Blogger Diegovj disse...

Vc guiou um carro da minha marca favorita...rs. Fico só imaginando como não deve ter sido excelente.

Abs

12:14 PM  
Blogger L-A. Pandini disse...

Que bom que você gostou! E o bom é que nós dois podemos formar a categoria Porsche Cup na FIAk...

Abração! (LAP)

8:17 PM  
Blogger Daniel Ribeiro disse...

Oi, eu sou o Daniel lá do blog Estórias, relatos e opiniões. Parabéns pelo blog, gostei demais dos textos, em especial do Porsche, meu carro dos sonhos. Imagino que dar algumas voltas "abusando" do motor boxer deva ser demais. Coloquei um link para o seu blog lá no meu blog, espero que não se importe.

Parabéns e abraço

11:16 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial